6 de jun de 2010

Parada Gay em Sampa

Vi as fotos da Parada Gay em SP. Uma me chamou a atenção. Um homem de costas, com um frase escrita no corpo: "criminalização à homofobia". As demais fotos me passaram a impressão de que todos estavam bem, obrigado, e que a vida é assim mesmo.
Não sou homofóbica (não tenho ódio nem preconceito contra os gays) mas quero opinar. Eu os respeito mas não concordo com a prática homoafetiva por uma única razão: a Bíblia condena. Pronto! Quem não quer crer na Bíblia que não creia. Mas não me tire o direito de crer e de opinar.
Aliás, quase todos os movimentos homossexuais dizem que os evangélicos os discriminam. Isso não é verdade. Ser contrário a algo não significa preconceito nem discriminação. Eles também não gostam de receber críticas. Por quê?
Eu não discrimino ninguém mas querem me tirar o direito constitucional de emitir opinião. Como? O PL 122/06. Isso mesmo. Esse projeto de lei, se aprovado, diz que será crime discriminar. Toda crítica seria, então, preconceito, o que o projeto proíbe. Ninguém deve ser discriminado pela opção sexual que escolhe. Mas eu não devo perder meu direito de comentar só porque um grupo pensa que eu não posso me posicionar contra eles. É possível criticar e discordar com respeito. O PL vê tudo como discriminação, tudo como preconceito. Não concordar não significa ser preconceituoso e desrespeitar. É lógico que ninguém deve ser desrespeitadado, discriminado. Mas eu não posso nem me posicionar contra que isso já será visto como preconceito. Assim não dá.
Não vejo alegria nem vida quando olho as fotos aparentemente descontraídas e felizes que os gays tiraram na Av. Paulista no dia 6 de junho de 2010.
Querem me fazer acreditar que a vida deles é colorida, assim como as cores do arco íris. Isso não é verdade. Tudo que vai contra os princípios de Deus não traz felicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário