14 de set de 2010

Santuário suntuoso

Símbolo máximo da fé judaica, a construção da réplica do templo do rei Salomão começou no bairro do Brás, no centro de São Paulo, pela Igreja Universal, liderada pelo bispo Edir Macedo. Cristãos, judeus e pessoas de todos os credos poderão visitar o templo. Será um pedaço de Israel em terras brasileiras.

Altura do templo: 56 metros (corresponde a um prédio de 18 andares)

Quantidade de concreto usada: 28 mil m3 (daria para construir dois palácios do Planalto)

Toneladas de aço usadas: 2 mil

Capacidade: 10 mil pessoas sentadas

Tempo de construção: 4 anos

Número de profissionais envolvidos na construção: 25, entre engenheiros e arquitetos; 2000 trabalhadores, entre pedreiro, ajudante.

Valor: R$ 300 milhões

Iluminação: Será camuflada para simular o brilho do sol porque na época não havia energia elétrica.

Preocupação com o meio ambiente: Haverá reaproveitamento de água e tratamento acústico para evitar poluição sonora.

Material: Serão trazidas pedras da cidade de Hebron, localizada na Cisjordânia, que tem maioria árabe e fronteiras vigiadas pelo governo israelense. Desde a época do rei Salomão as pedreiras de Hebron fornecem material para as construções em Jerusalém. As pedras serão enviadas para São Paulo via mar Mediterrâneo, pelo porto de Ashdod. Serão 12 mil quilômetros, 30 dias de viagem.

Pedra fundamental do templo: Foi lançada na semana passada, pelo bispo Edir Macedo e mais 70 mil pessoas que compareceram ao evento.

História do templo do rei Salomão: Os relatos estão registrados na Bíblia. O templo começou a ser construído pelo rei Davi. Ele morreu e foi o rei Salomão quem terminou a obra. Deus orientou as medidas do templo que foi construído em Jerusalém, no ano 960 a.C. Tinha pedras e madeiras nobres. Era revestido de ouro. Somente o sacerdote entrava no templo para oferecer sacrifício. Somente o sumo sacerdote entrava no santo dos santos, um cômodo totalmente reservado dentro do templo. A arca da aliança, em ouro, ficava no santo dos santos, continha as tábuas dos 10 mandamentos que Deus deu a Moisés.

Quatro séculos depois da construção o templo foi destruído por invasores da Babilônia. A arca desapareceu.

Anos depois um segundo templo foi reerguido, mas destruído pelos romanos no ano 70 d.C. Os judeus ficaram, pela segunda vez, sem o símbolo máximo de sua fé.

Os judeus nunca fizeram novo local de adoração. Atualmente, no lugar aonde era o templo, há a Mesquita de Omar (também chamada de Domo Dourado) que é muçulmana. Conflitos entre árabes e a religião islâmica impede a construção de nova obra no local.

O que restou do templo de Salomão foi uma parede que, na verdade, era o muro que cercava e protegia a construção bíblica. Hoje essa parede é o Muro das Lamentações, em Jerusalém. Esse é o único vestígio do templo de Salomão que está em pé.

Fique por dentro

Para ver o vídeo com imagens virtuais do templo, acesse o R7:

http://noticias.r7.com/videos/busca/?q=templo de salomão igreja universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário