28 de mar de 2011

Liberdade e democracia nos países islâmicos

Depois que a população da Tunísia (na Revolução de Jasmim) e do Egito foi às ruas protestar e pedir a renúncia dos presidentes ditadores Ali Abdalah Saleh (no poder há 32 anos) e Hosni Mubarak (há 42 anos no poder), foi a vez dos moradores da Líbia, Iêmen e Síria também clamarem por abertura política.

Ferve as revoltas nos países muçulmanos.

Mais uma vez insisto na pergunta: Liberdade política gerará abertura religiosa?

Espero que sim. Dessa maneira, os cristãos que são perseguidos, torturados e mortos nesses países poderão declarar a fé em Jesus Cristo. A igreja cristã é perseguida nos países muçulmanos.

Que os missionários nativos e estrangeiros tenham acesso e liberdade para falar sobre o Evangelho.

Um comentário:

  1. Denise, a esperanca nossa e' que cada revolucao sempre seja pra melhor, mas, nao acho que seja o caso, ali sao muculmanos brigando com muculmanos e a tendencia e' ficar mais fechado, religiosamente falando.
    Se acreditamos em milagre, e' isso, so' um milagre poderia dar abertura, mas nao sei o que e' pior, se a tirania, onde so e' cristao quem realmente se dispoe a morrer pelo evangelho ou liberdade que leva a igreja aonde esta a nossa.

    ResponderExcluir