13 de jun de 2011

O santo casamenteiro

Comer o pãozinho milagroso e benzido pelo padre, fazer simpatias, promessas e orações.

Por todo o país hoje se multiplicam os pedidos para o santo casamenteiro e das coisas perdidas porque é dia de Santo Antônio, 13 de junho.

Cada pessoa sabe uma simpatia. Uma bem famosa é colocar a imagem do santo de cabeça para baixo, dentro de um copo com água. Ao ter o pedido atendido, tira-se o santo do copo. É quase um afogamento da imagem.

Já quanto ao pão, geralmente é produzido dentro das paróquias enquanto são feitas rezas. É um trabalho coletivo dos fiéis que doam a matéria prima para a festa. Os organizadores também compram parte dos produtos que faltam com o dinheiro das rifas que são tradicionais nessa época por causa das festas juninas. Ao lado do forno costuma-se colocar uma imagem do santo. Dizem que é para dar mais sorte.

Os pães milagrosos são distribuídos durante as missas. Reza a lenda que quem comer e guardar dentro das latas de mantimentos,  sempre terá fartura dento de casa. Comida não faltará.

Na paróquia Santo Antonio, na 911 Sul, em Brasília, haverá missa durante todo o mês com a distribuição gratuita dos pães. São várias missas por dia.

Já algumas paróquias também produzem o bolo de Santo Antônio. A do bairro do Peri, em São Paulo,  vende um pedaço a R$ 3,00. Dizem que quem comer uma fatia do bolo também encontra casamento.

Tradição, festa popular e brincadeiras à parte, a questão é séria. Envolve fé, devoção e idolatria.

A questão é simples: Desvia-se o foco. Ao invés de orar a Deus, pede-se ao santo. Ao invés de ter fé somente em Deus, acredita-se também que o santo pode interceder a Ele por nós. E a Bíblia afirma que o único intercessor entre Deus e o homem é Jesus Cristo. Ele nem se quer é mencionado nessa festa. Isso é que se chama idolatria. Desviar a adoração e o foco de crença. Acreditar que um santo, que foi um homem ou mulher como nós, também pecador, e que não morreu na cruz para nos salvar, possa ser o intermediário entre nossos desejos e o Senhor.

Todo o meu respeito à festa católica, mas os padres deveriam orientar os fiéis de que não podem, à luz da Bíblia, orar para um santo. Eles, os padres, conhecem a Bíblia porque a estudam. Por que não a explica para as pessoas? Idolatria é pecado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário