20 de mar de 2012

Pastor fala mal de pastor

Há muito tempo tenho acompanhado pela TV, site e revista pastores falando mal de outros pastores. Mas no último domingo, dia 18, me chamou a atenção uma reportagem de mais de 30 minutos, exibida em horário nobre, no Domingo Espetacular, da Rede Record, denunciando que o apóstolo Valdemiro Santiago usou R$ 50 milhões da Igreja Mundial do Poder de Deus – ou seja, dinheiro dos fiéis, para comprar duas fazendas no município de Santo Antônio de Leveger, em Mato Grosso. Também há a denúncia de que ele não pagou aluguéis de 59 templos, em São Paulo, por isso tem várias ações de despejo. A reportagem foi produzida pelo jornalista Marcelo Rezende.


Não é de hoje que Valdemiro Santiago, presidente da Igreja Mundial e ex-membro da Universal, e o bispo Edir Macedo, proprietário da Rede Record, se alfinetam. Até o momento o bispo não se pronunciou sobre o assunto em público. Mas a TV que fez a reportagem é de sua propriedade. Já Valdemiro diz que toda a reportagem é fantasiosa, que a Record não o procurou para dar sua versão dos fatos, que não assinou a escritura das terras. Mas não é isso que mostram os documentos públicos exibidos para todo o Brasil.

Também me chamou a atenção o comentário que o pastor Silas Malafaia publicou em seu portal Verdade Gospel. Ele disse: “Vou começar pelo fim. O resumo da historia é este: o sujo falando do mau lavado. Todos farinha do mesmo saco”. Malafaia se referiu ao fato de ambos os líderes evangélicos serem acusados de enriquecimento ilícito. Tanto Valdemiro quanto Edir Macedo parecem estar envolvidos em problemas semelhantes. Usar dinheiro de fiéis para aplicar em empresas.

Não quero entrar no mérito da investigação e da culpa. A investigação será feita pelo Ministério Público Federal. Se o apóstolo usou ou não dinheiro dos fiéis para comprar duas fazendas e colocá-las em seu nome, a investigação irá apurar e punir os responsáveis. Para isso tem lei. Mas fica outra a pergunta no ar: com qual dinheiro a Record foi comprada? A Rede Globo também denunciou que foi com a grana dos fiéis da Igreja Universal. A lei é clara quando diz que o dinheiro de igreja não pode ser usado em empresas.

O que me preocupa é ver líderes evangélicos fazendo guerra pública. São homens ricos, que têm fama,dinheiro e poder. Estão na mídia, portanto em alta exposição, pois são donos de grandes veículos de comunicação.

Pergunto: que propósito tem isso? Qual resultado dessa guerra para a imagem do povo evangélico? Por que pastores que tem dinheiro, fama e poder não usam esses meios para promover debates sociais, para fazer o Reino de Deus crescer? Quem sai ganhando com tanta discórdia?

Eu não concordo com pastor que fala mal de outro pastor em público. Uma troca de alfinetadas que não ajuda em nada o Reino de Deus. Pelo contrário. Desmoraliza os evangélicos. Acho que seria melhor que ficassem em silêncio. Respeito o direito que cada um tem de dar sua opinião, mas não vejo que essa atitude traga bons resultados para a igreja.

Informo que o blog está aberto caso algum líder citado queira se manifestar.

Confira as reportagens sobre o caso:
Portal R7
http://noticias.r7.com/brasil/noticias/exclusivo-o-apostolo-milionario-20120318.html

Portal do pastor Silas Malafaia
http://www.verdadegospel.com/pr-silas-comenta-a-guerra-entre-o-bispo-macedo-e-o-ap-valdemiro/comment-page-22/#comment-73078

Portal Creio
http://www.creio.com.br/2008/noticias01.asp?noticia=17568

Nenhum comentário:

Postar um comentário