30 de mar de 2012

TV é atividade preferida dos brasileiros

Uma pesquisa confirmou o que os comunicadores já sabiam. Assistir TV é o passa tempo favorito das pessoas nos momentos livres.

A pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada no último dia 28, organizada pelo Instituto Pró-Livro, apontou que 85% dos entrevistados disseram que ver televisão é a atividade preferida. Em seguida aparecem escutar música ou rádio (52%), descansar (51%) e reunir-se com amigos e a família (44%). Subiu o número de pessoas que usa tempo livre para navegar na internet: de 18% para 24% entre 2007 e 2011. Acessar redes sociais é preferência de 18% dos entrevistados.

A leitura ficou em sétimo lugar. O percentual de entrevistados que declarou gostar de ler caiu. A pesquisa apontou que o número de entrevistados que leem caiu de 36% entre 2007 para 28% em 2011. O brasileiro lê, em média, quatro livros por ano e apenas metade da população pode ser considerada leitora. As mulheres leem mais do que os homens.

De acordo com o estudo, a Bíblia aparece em primeiro lugar entre os gêneros preferidos, seguido de livros didáticos, romances, livros religiosos, contos e literatura infantil.

Minha opinião
Desde os tempos de faculdade – e lá se vão alguns anos, escuto os professores de Jornalismo afirmarem que a TV é o maior meio de comunicação de massa do Brasil. Estudos mostram que têm mais aparelhos de televisão do que geladeira na casa dos brasileiros. A pesquisa somente reforçou o que os jornalistas já sabiam.

Apesar de ser de grande alcance, a TV não informa com qualidade. Como tempo é dinheiro, a informação transmitida é superficial e rápida demais. A falta de aprofundamento, de mais explicações para melhor esclarecer as pessoas apontam para um outro problema: é desse meio que os brasileiros mais recebem informação. Isso significa que bebem de uma fonte rasa, sem análise crítica, com visão unilateral. Ao assistir TV a pessoa toma a posição passiva, apenas receptora da informação. Não tem a oportunidade de interagir, debater, aprofundar-se. Os comunicadores – se é que podem ser chamados assim os profissionais que fazem TV, é quem decidem o que as pessoas assistem, o que será pauta nacional ou não. Sei que hoje já existe o recurso de escolher os canais fechados, que transmitem programas mais diversificados. Mas esse recurso ainda é distante da maioria da população que têm maior acesso somente à TV aberta. E agora que a TV está até na internet é que a juventude vai mesmo se ligar na telinha.

Outro ponto que merece ser comentado é que tipo de programa é mais assistido. Isso a pesquisa não apontou. A qualidade dos programas também deve ser um ítem pensado. Muitos, muitos mesmo têm baixa qualidade. A TV brasileira não se preocupa com educação, pois a função é entreter. Muita política de "pão e circo" acontece nos bastidores. Empresários preocupados com os lucros financeiros.

Preocupante para um país que necessita crescer, diante de uma juventude que precisa estudar mais e desenvolver o hábito da leitura.

Temos que parar para pensar. Que futuro teremos? Quem pouco lê, pouco sabe, pouco estuda, pouco cresce. As oportunidades de trabalho com bons salários existe para quem é melhor preparado. Ser melhor preparado passa pelos estudos, pela leitura.

Pelo que se pode vê, o país tem grandes desafios pela frente. Investir na educação é um deles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário