2 de set de 2012

A vida, Deus, os fogos de artifício e as estrelas

Tem gente que prefere os fogos de artifício a contemplar as estrelas. Deixa o muito pelo pouco. Escolhe o temporário ao invés do permanente. Pega o de brilho indefinido a ficar com o de maior brilho. Admira os fogos de artifício (que são coloridos, atraentes, barulhentos, cheios de fumaça, mas acabam) ao invés de voltar o olhar para a beleza ímpar das estrelas.

Na vida espiritual isso também acontece. Tem gente que escolhe o caminho mais fácil (que pode ser menos santo e ético), o que a visão pode alcançar (ao invés de exercitar a fé), a temporariedade da vida (em vez que agarrar-se à eternidade com Deus).

Tem gente que exclui Deus de sua vida. Como se fosse bom ficar com os fogos de artifício. Não. O melhor é admirar e viver com as estrelas.

Como bem disse John Henry Jowett, no livro O pregador, sua vida e obra, não podemos “ser atraídos por fogos de artifício perdendo a visão das estrelas”.

Escolha deixar Deus viver com você.
Texto: Denise Santana, jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário