1 de nov de 2012

Com a Reforma Protestante vale somente a graça de Deus

Ano de 1517, na cidade de Lutherstadt Wittenberg, na Catedral de Wittenberg, Alemanha. Ano de 2012, em Brasília, na Faculdade Evangélica (FE), Brasil. Lá Martinho Lutero fez a Reforma Protestante. Aqui os estudantes de Teologia celebraram os 495 anos do ato que mudou a história religiosa mundial.

Para comemorar o aniversário da Reforma foi organizado um culto, em 31 de outubro, com tema Reforma Protestante: Consciência e protesto a favor da vida.

Uma programação especial marcou a noite. Depois de três minutos de oração individual, um grupo de alunos apresentou, à capela, o hino Castelo Forte cuja letra foi composta por Lutero, no ano de 1528, inspirado no Salmo 46.
Prof. Loiola (terno cinza), Prof. Marco Antônio (terno preto) e bacharelandos em Teologia

Em outro momento de reflexão, uma pedra foi trazida pelos alunos ao altar simbolizando o peso que muitas vezes as pessoas carregam na vida. “Que tipo de pedra está nos impedido de promover o diálogo e o bom relacionamento? Será que há uma pedra no nosso coração que impeça que dialoguemos com a família e os amigos?”, questionou o reverendo José Roberto Alves Loiola, professor da FE.

Ainda como reflexo e clamor a Deus, Luzia Lima da Silva fez uma oração, de joelhos, pelos índios Kaiowá que, pela falta de respeito e diálogo por parte dos governantes, estão sofrendo dor, morte, sendo roubados em suas terras e praticando altos índices de suicídio nas tribos. “Pedimos perdão a Deus pela inabilidade que nosso governo tem em resolver as questões indígenas brasileiras. E pela incompetência na elaboração de um diálogo com os índios que têm dificuldade em manter suas famílias na terra onde moram. Pedimos a Deus que mude a história de nossos índios e que as portas sejam abertas para que a Bíblia os alcance”, orou Luzia.

Jogral e a leitura de vários trechos bíblicos também marcaram a liturgia que levou ainda os participantes a entenderem que é um privilégio ter a Bíblia traduzida para o Português, em várias versões, e a leitura ser livre. Basta lembrar que esses benefícios foram conquistados com a Reforma, pois os textos das Sagradas Escrituras eram exclusividade dos padres católicos, então detentores do poder.

A ministração ficou sob responsabilidade do pastor e professor Marco Antônio Campos que baseou-se em Romanos 12:2 para ensinar sobre a relevância do tema. “Três palavras podem resumir a Reforma: Motivação, conscientização e atuação. Lutero viveu esses três pontos. Por conhecer a verdade viu que algo precisava ser feito. Também precisamos assumir que temos que fazer algo em prol de nossa sociedade. Ainda hoje a Bíblia e seus valores são fundamentais para as pessoas. Nós somos fruto da Reforma Protestante. Mas Lutero não ficou só na vontade de fazer alguma coisa. Ele enfentou correntes que lutavam contra a Palavra de Deus. Naquela época, lutar contra a igreja era passível de pena de morte. Lutero arriscou. Fez defesa das verdades bíblicas e doutrinárias da Palavra. Pegou seu tinteiro, papel e pena e escreveu as 95 teses. Com a atitude dele as pessoas puderam ter maior acesso aos textos bíblicos. Os alemães também tiveram a Bíblia traduzida para a sua língua-mãe. Diante de um concílio de padres ele foi perseguido e insultado para que negasse o que tinha escrito. Lutero disse que não se retrataria, pois aquela era a sua posição. Isso é um exemplo para nós”, disse o pastor Marco.

Encerrando as atividades os presentes ouviram o credo lido pela estudante Elila Faria e cantaram a música Deus é fiel, tendo ao órgão Lisette Jung Loiola e Marcos Santos da Silva Júnior. Em torno de uma mesa de frutas a comunhão foi celebrada.

 

Depoimentos
“A Reforma Protestante foi mais do que um sopro de liberdade. Foi Deus dando voz aos homens e mulheres que não tinham voz, não tinham expressão. Ainda somos protestantes? Hoje temos que levar a igreja de volta às Escrituras. Temos consciência do que significou a Reforma? Foi um resgate, a abertura da Bíblia para todos. Lutero foi impactado pelo texto no século XVI. Mas no século V Santo Agostinho também foi. No século VXIII John Wesley também. A Reforma foi a libertação da Bíblia em latim e a disseminação da Palavra de Deus.”
Rev. José Roberto Alves Loiola, professor da FE

“O que temos hoje na Teologia pauta-se na Reforma Protestante. Hoje, 495 anos depois, o Senhor continua sendo nosso castelo forte como escreveu Lutero. Somos reformados ou ainda precisamos de nova Reforma atualmente? Temos que pensar sobre isso. Temos que retornar ao nascedouro da Reforma. Aqui não temos batistas nem presbiterianos, nenhuma denominação. Existe o corpo de Cristo, uma igreja que é fruto da Reforma.”
Professor Uélinton Dias da Luz, coordenador do curso de Teologia da Faculdade Evangélica

 “Hoje, dia 31 de outubro de 2012, depois de 495 anos que Lutero – impelido pelo Espírito Santo, tomou a decisão de se levantar contra a autoridade da Igreja Católica, estamos aqui para celebrar a Reforma. Não precisamos mais defender as Sagradas Escrituras como Lutero fez. Aliás, como disse Charles Spurgeon, a Bíblia não precisa ser defendida. Ela é como um leão, se autodefende”.
Pastor Marco Antônio Campos, professor da FE

“Tudo começou com o sacerdote Martinho Lutero que, inconformado com os rumos da Igreja Católica, pregou as 95 teses na catedral de Wittenberg. Esse posicionamento foi o precursor da Reforma Protestante que tem a sua essência em cincos pontos básicos que são sola fide (somente a fé), sola scriptura (somente a Escritura), solus Christus (somente Cristo), sola gratia (somente a graça) e soli Deo gloria (glória somente a Deus).”
Aparecida Sanches, estudante de Teologia

 Bacharelandos em Teologia

“Qual a mensagem da Reforma Protestante para nós hoje? Creio que é Mateus 16:18 que diz que as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja. O Senhor não quer que sejamos gigantes dentro dos muros dos nossos arraiais e pigmeus fora deles. A ordem é avançar. O tempo está passando rápido em nossa geração. E qual é nosso investimento nas questões espirituais?”
Cláudio Rios, estudante de Teologia

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário